• No silêncio do Pampa Gaúcho ...
  • surgem ecos de beleza
  • história
  • nostalgia
  • um sonho
  • um lugar único

Home »   Notícias »   Notícia

 

10/10/2017 - http://www.agenciaoglobo.com.br/

Vinícola gaúcha recebe Selo Solar inédito no País

Os vinhos Guatambu são produzidos 100% com energia renovável, e por isso recebemos o Selo solar, veja na matéria do Jornal O Globo:

A Vinícola Guatambu, de Dom Pedrito, Rio Grande do Sul, que desde maio de 2016 trabalha com iluminação fotovoltaica, acaba de ser contemplada com o Selo Solar, iniciativa do Instituto IDEAL com apoio do WWF-Brasil e Cooperação Alemã para o Desenvolvimento Sustentável, por meio da GIZ e KfW.

O parque, que recebeu investimento de R$ 1,5 milhão, dispõe de 600 painéis fotovoltaicos, que suprem 100% da demanda energética do empreendimento, fazendo da Guatambu a primeira vinícola da América Latina movida a energia solar.

Os testes solares iniciaram-se em 2013. Com o passar dos anos, a conta de energia, antes estimada entre R$ 10 mil e 15 mil por mês, apresentou redução de 75% do valor. Os diretores da vinícola esperam pelo retorno do investimento em oito anos.

"Ao escolher o vinho Guatambu, o consumidor sabe que está valorizando a preservação do meio ambiente. Assim como fomos referência em 2013 ao inaugurar o complexo enoturístico na região da Campanha Gaúcha, agora somos referência em produção de vinhos sustentáveis e isso nos orgulha muito", celebra Gabriela Pötter, enóloga e engenheira agrônoma da vinícola.

Vinícola butique de administração familiar, a Guatambu trabalha em pequena escala, somente com uvas próprias, lotes limitados e garrafas numeradas. Inaugurada em 2003, apresenta uma produção anual de 150 mil garrafas premium e ultra premium, hoje presentes nas cartas de restaurantes estrelados como do Copacabana Palace, no Rio, e D.O.M. e Dalva e Dito, em São Paulo, entre outros.

Durante o processo de elaboração do vinho, lembra a enóloga Gabriela, todas as máquinas (prensa pneumática, sistema de frio, monobloco de envase, refrigeração do vinho) utilizam a energia captada do sol, por meio das células fotovoltaicas, diz Gabriela.

O projeto do parque solar de Dom Pedrito foi tão bem-sucedido, que ganhou destaque no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro. Lá, os visitantes podem assistir a uma reportagem sobre a produção de vinho com energia sustentável e entender melhor os aspectos de consciência da preservação ambiental.

Valter José Pötter, diretor-proprietário da Guatambu, reforça que, quanto à sustentabilidade, a experiência de mais de 50 anos trabalhando no campo serviu para mostrar que a preservação ambiental é tão importante quanto a parte econômica: "Sem dúvida que a consciência ecológica, compensação dos passivos ambientais e maior eficiência energética fazem parte da inspiração inicial, mas a questão mercadológica e financeira igualmente conta: de forma direta na diminuição das despesas e com energia mais barata, houve ganhos de 15% neste mercado de vinhos cada vez mais consciente e exigente. Também estamos recebendo 20% mais visitantes interessados no tema, como profissionais, empresas e alunos ligados ao estudo do meio ambiente. Além de, é claro, os apreciadores dos vinhos da Guatambu".

A radiação solar na região da Campanha Gaúcha é 40% maior do que na região mais ensolarada da Alemanha ? um dos líderes no uso da energia fotovoltaica. Apesar dessas condições favoráveis, o uso de energia solar para geração elétrica ainda é pouco considerado como opção por indústrias e residências. São, em média, 3.200 horas de sol durante o ano, uma energia que chega de forma gratuita, limpa, silenciosa e inesgotável.

Fotos relacionadas

SE BEBER NÃO DIRIJA. APRECIE COM MODERAÇÃO - A VENDA DE BEBIDAS ALCOÓLICAS É PROIBIDA PARA MENORES DE 18 ANOS